Voltar

Bloqueio androgénico mais radioterapia: Nova terapêutica standard para o carcinoma da próstata localmente avançado?

Os resultados emanados de um vasto ensaio aleatorizado internacional (CRA 4504) sugerem que o bloqueio androgénico contínuo mais radioterapia externa “deveria ser uma abordagem standard” no carcinoma da próstata localmente avançado, segundo os participantes na Sessão de Apresentações Livres relativas aos Cancros Géniturinários realizada no âmbito do Congresso Anual de 2010 da Sociedade Americana de Oncologia Clínica. Esta conclusão baseou-se na observação de uma melhoria considerável tanto na sobrevivência global como na sobrevivência específica à doença em comparação com o bloqueio androgénico em monoterapia.
Na segunda análise estatística interina, a sobrevivência global aos 7 anos foi de 74% nos indivíduos tratados com supressão androgénica e radioterapia (603 doentes) , sendo significativamente superior à que se observou nos 602 doentes tratados apenas com bloqueio androgénico, que foi de 66% (p=0.033; HR 0.77). A sobrevivência específica à doença aos 7 anos também foi significativamente mais favorável no grupo da terapêutica combinada com uma taxa de 90% contra 79% no grupo do bloqueio hormonal em monoterapia (p=0,001; HR 0,57). Registaram-se 320 mortes numa população total de 1 205 doentes – 175 das quais no grupo da monoterapia e 145 no grupo da terapêutica combinada. Notavelmente 89 das mortes registadas no grupo tratado com bloqueio androgénico em monoterapia foram atribuidas a cancro da próstata contra 51 no grupo da terapêutica combinada. Os resultados finais relativos à eficácia estão previstos para o fim deste ano.
Neste estudo, a radioterapia consistiu em 45 Gy em 25 fracções administradas na pélvis mais 20 a 24 Gy em 10 a 12 fracções administradas durante 2 as 2,5 semanas na próstata. Este esquema terapêutico baseou-se num protocolo concebido em 1993 e aplicado em 1995. Comentou-se que a terapêutica combinada poderia ter registado resultados mais favoráveis se a radioterapia tivesse sido aplicada segundo a prática actual.
A análise dos efeitos secundários revelou que os efeitos tóxicos tardios graves foram raros mas que os que afectam o aparelho geniturinário foram observados em 2,3 % dos doentes em cada grupo terapêutico. Diarreia de baixo grau e sangramento anal foram mais frequentes no grupo que integrava o uso da radioterapia.
Nos últimos anos, a supressão androgénica tem sido a terapêutica primária para o cancro da próstata localmente avançado. De acordo com a base de dados da Cancer of the Prostate Strategic Urologic Research Endeavour (CaPSURE) era a opção de eleição (45,5%) nos anos 2004-2007. Este número indica no entanto que persiste uma variação considerável e que não emergiu nenhum tratamento standard.
É também de salientar que foi implementado um estudo de Fase III envolvendo 875 doentes com carcinoma da próstata avançado (conduzido em conjunto pelo Grupo Escandinavo do Cancro da Próstata e a Associação Sueca de Urologia Oncológica) que recentemente relatou taxas de mortalidade específica à doença de 23,9% no grupo de doentes tratados com bloqueio hormonal em monoterapia contra 11,9% no grupo de doentes tratados com hormonoterapia associada a radioterapia (risco relativo 0,44; Widmark A. Et al. Lancet.2009; 373:301-308). Tanto neste estudo como no CRA4504, as curvas de sobrevivência global separavam-se aos 5 anos.
Pode dizer-se que as práticas clínicas standard recomendadas para o cancro da próstata localmente avançado deveriam ter em consideração tanto a esperança de vida do doente como as comorbilidades. Doentes com uma esperança de vida superior a 5 anos podem ser candidatos a terapêutica combinada enquanto que homens mais velhos e com risco de morte prematura podem beneficiar do bloqueio androgénico sem terem de ser expostos a radioterapia. Deve também ter-se em consideração o facto da hormonoterapia ser prejudicial em indivíduos que sofram de doença cardiovascular, podendo resultar em enfarte do miocárdio ou insuficiência cardíaca congestiva eventualmente irreversível.

 

 

Voltar